terça-feira, 27 de outubro de 2009

DEBATE COM UM MAÇOM

Joaquim Barreto (Maçom)

Caro Paulo:

Afirmo veementemente que MAÇONARIA NÃO É RELIGIÃO, O sr NÃO A CONHECE POR DENTRO, (nem vai conhecer se não entrar) e por não ser religião RESPEITA TODAS AS DEMAIS, inclusive a sua e a minha que sou católico graças a DEUS.

(Aliás, por que os evangélicos acham que só seguindo seus preceitos entrarão no reino do CÉU?)

ALGUMAS ATITUDES de JESUS (não falo aqui da santidade do mesmo, nem suas pregações) LEMBRAM OS IDEAIS MAÇONS

O G.A.D.U. da maçonaria é DEUS para mim, ALÁ para os muçulmanos etc... Nunca a peste lucífer para ninguém, posso lhe garantir.

A maçonaria não colide com a Bíblia Sagrada, que por sinal é aberta e lida na abertura das reuniões, e permanece aberta até seu encerramento. em relação à luz e trevas é no sentido figurativo não religioso.

Por puro desconhecimento confundem a mesma com religião ou culto satânico, esqueça meu amigo, se a sua preocupação é essa, ESQUEÇA!

Encero aqui esta discussão, desculpe por interferir (coisa que nem deveria ter feito) é que não aceitei a pecha que o sr. e outros querem atribuir à maçonaria... É como o sr. encontrar um site tentando confundir as pessoas em relação à sua igreja, clube ou partido que o sr simpatiza, com injustiça, ignorância e leviandade...

Que o G.A.D.U. TE ILUMINE
Saudações cordiais, Joaquim


Réplica:

Prof. Paulo Cristiano




Prezado Joaquim, graça e paz: muito obrigado por ter retornado seu e-mail para novas considerações.

Primeiramente, não é preciso fazer parte da Maçonaria para conhecê-la. Eu particularmente tenho vários amigos ex-maçons e até mesmo um que já foi Venerável do 32º grau. O testemunho deles para nós juntamente com as literaturas maçônicas é o bastante.

Isto posto, gostaria de comentar sua alegação de que a Maçonaria não é religião, de fato entre alguns maçons já se tornou normal dizer que a "maçonaria não é religião apesar de ser religiosa". Contudo, vamos ver o que diz certa autoridade maçônica:

Albert G. Mackey em sua Enciclopédia Maçonica de Coil nos afirma:

"A Maçonaria pode ser corretamente chamada de Instituição religiosa...A tendência de toda a verdadeira Maçonaria é com a religião.."

O fato de os maçons insistirem na tese de que não é religião não invalida os fatos que podem ser facilmente verificáveis.
Ora, a Maçonaria possui todos os elementos que há em qualquer religião tais como: orações na abertura e no término das cerimônias, templos, consagração da loja, um nome particular de um deus (GADU), usam o termo "irmãos" como tratamento dentro da loja, cerimônias de enterro, batismo de crianças, juramentos, código de moral próprio, mestres, ceia mística, rituais, liturgia, dogmas, e outros itens essenciais em qualquer religião.
Há muitos grupos religiosos igualmente que negam ser religião, a título de ilustração temos o budismo, espiritismo e outros.
É importante para a maçonaria passar a imagem de uma instituição filantrópica, pois aí fica muito mais fácil camuflar sua verdadeira identidade religiosa. Sem dúvida a maçonaria é uma religião que não tem nada a ver com cristianismo, pois nada que Jesus ensinou ou praticou dá base para a Maçonaria. Só faltava você, agora, querer me convencer que Jesus também era maçon!

Caro amigo, saiba que o Deus pregado por Jesus é totalmente diferente do deus genérico da Maçonaria, aliás, o Deus da Bíblia apresentado por Jesus não tem nada a ver com o Alá dos Muçulmanos. A Bíblia apresenta Deus em Trindade, já para os Muçulmanos este conceito de Deus é blasfêmia. Para um muçulmano é pecado adorar a Jesus como fazem os católicos e evangélicos, para eles é Shirk, isto é, atribuir parceiros ou associados a Alá. O Alá do Alcorão não teve um filho, portanto, Jesus não é filho de Alá.

Caro Joaquim, poderia encher várias páginas deste e-mail falando sobre as diferentes entre o Alá muçulmano e o Deus da Bíblia.
O profeta exclama: "Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?" [Amós 3.3].
Como posso sentar à mesma mesa que um muçulmano e chamá-lo de "irmão", sendo que o Deus que ele adora é substancialmente diferente do Deus cristão?
Veja o que diz o apóstolo Paulo nesta questão: "... que parte tem o crente com o incrédulo?" [ II Co. 6.15]. Nenhuma.
O céu onde habita Alá fornece 72 virgens para quem morrer na causa do Islã. Você não acha que esse Deus é totalmente oposto ao Deus da Bíblia que diz que no céu, os salvos não se casam e não se dão em casamentos, mas serão como os anjos de Deus? [Marcos 12.25].
Não amigo, a maçonaria é um self-service religioso que não se enquadra nos ensinamentos da Bíblia. Podem até usar ela em seus rituais, mas isso não significa que ela os apóia. Aliás, a Bíblia na Maçonaria serve apenas como símbolo da vontade de Deus, é por isso que a Maçonaria troca de livro em cada região, aqui no Brasil, EUA, Europa é a Bíblia, já na Índia é o Veda, nos países árabes, o Alcorão e assim por diante. Leia cada um desses livros e você verá que seus ensinamentos colidem uns contra os outros. São opostos. A menos que o deus pregado pela Maçonaria seja um ser contraditório, vocês não podem dizer que seguem os ensinamentos do verdadeiro Deus.
O maçon acredita em qualquer deus a fim de respeitar o seu "irmão" de loja. É uma religião relativista e muito cômoda. Agora, olha o que Cristo disse sobre os líderes religiosos de seu tempo, Ele os chamava de "falsos profetas", “ladrões e salteadores" etc...

Os apóstolos combateram vários erros doutrinários dentro da igreja e as falsas religiões que queriam suplantar o verdadeiro cristianismo. Segundo as regras da Maçonaria, os apóstolos nunca poderiam ser maçon, pois eles eram absolutistas, não toleravam o relativismo. Havia e há uma verdade absoluta e, diga-se de passagem, que não se trata da "verdade dos evangélicos". Não. A verdade é acima de tudo uma pessoa - Jesus [João 14.6].

Um cristão que encontrou Jesus encontrou a luz e já saiu das trevas, não precisa encontrar outra luz dentro da loja.

Um cristão que de fato pratica a Palavra de Deus irá crer com toda a sua alma no verso a seguir, "e que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado" [ Colossenses 1.13]

Meu caro maçon, para que vou querer outra luz se já fui tirado das trevas? Que trevas é essa que a Maçonaria pede para eu sair? O cristão saiu ou não das trevas?
Você me disse que essa expressão é simbólica e não religiosa. Então qual o significado deste simbolismo? Ou vocês repetem debalde esse juramento diante do Venerável? Se é debalde, então vocês estão brincando de religião. Seus rituais se tornam patéticos...

Eu não sei de qual grau você é, pelo jeito deve ter se detido até o 3º grau na qual a maioria dos maçons se concentram.
Mas é bom saber que no grau Real Arco do Rito de York, o maçon reconhece que o verdadeiro nome de Deus é Jabulon, que até os 3 primeiros graus se chamava GADU. Neste mesmo grau a Maçonaria une Yavé da Bíblia com divindades pagãs condenadas por essa mesma Bíblia tais como Baal, Osiris, On.
Ora, a Bíblia diz que Deus não tolera outros deuses [Isaías 44.6] e nem seus nomes deveriam ser pronunciados pelo povo de Deus. Quão diferente é o deus da Maçonaria! De fato não é o Deus da Bíblia...

Amigo, meu propósito não é denegrir a Maçonaria como entidade filantrópica ou irmandade, mas como religião merece nossa crítica. E de fato ela é uma religião, mesmo que os maçons neguem esse fato até o fim.
Os ensinamentos relativistas e por vezes pagãos, dos ritos maçônicos, não passam de heresias à luz da doutrina bíblica.
Diante disso não podemos deixar as pessoas ficarem enganadas com a falsa luz oferecida pela Maçonaria.

Um forte abraço,
Paulo



Tréplica :

Joaquim Barreto (maçon)



Sugiro que o sr. seja iniciado na maçonaria (caso já não tenha sido expulso, tiver condições dfiroduripara tal* e seja aceito) e descubra por sí só qual o verdadeiro sentido da mesma, em vez de fazer conjecturas ou "caça às bruxas" em comentários infundados por pura ignorância no assunto...

* Para sua informação, a maçonaria só aceita homens livres, de boa reputação (MORAL) sem preconceitos, e Principalmente que acreditem em DEUS, este sim o único dogma da maçonaria (e que sem ele não restará mais nenhuma igreja na face da terra).

Associar maçonaria à MÁFIA, ou KU KLUX KLAN só demonstra sua IGNORÂNCIA em relação à mesma... Tumor maligno e advogados do diabo são algumas "igrejas evangélicas" que só sabem iludir e ROUBAR o pouco que muitos (estes sim) incautos, têm. (por exemplo a UNIVERSAL do sr "bispo" Edir Macedo...)

Ou prometendo curas milagrosas ou sensacionalismos infundados como por exemplo (também) o sr quer veicular neste seu site...

A propósito, o que o sr acha da IGREJA UNIVERSAL do Sr. Edir Macedo? (caso lhe interesse lhe enviarei um vídeo com ele e seus "discípulos" mostrando as técnicas de TOMAR dinheiro dos incautos, para o sr ver a desfaçatez ou se aperfeiçoar mais ainda, caso seja seguidor do mesmo...)

Posso lhe garantir que é exigido e obrigação de qualquer maçon, Honra, Honestidade, etc... (Coisas que muitos que se denominam pastores e padres não têm...)

Respeite para ser respeitado!... Deus te ilumine!



Resposta à tréplica:

Prof. Paulo Cristiano


Caro Joaquim, graça e paz:

Eu acredito que na maçonaria há pessoas de bem, homens honestos e íntegros. Eu tenho amigos maçons e ex-maçons e posso lhe dar ciência disso.
Não obstante, há na maçonaria pessoas que (como em qualquer segmento religioso) não são, por vezes, tão virtuosas assim. Há pessoas que praticam a corrupção, roubam, mentem etc... Estes de fato, são maus maçons.

Todavia, isso nada tem a ver com a questão em pauta. Estamos tratando da questão do ponto de vista bíblico-teológico. Creio que ficou patente no artigo analisado pelo senhor. Aliás, um artigo despretensioso que tem por objetivo simplesmente alertar os cristãos evangélicos dos perigos da Maçonaria.

Gostaríamos de esclarecer-lhe que religiosidade, caráter e outros predicados são virtudes importantes, mas não suficiente para tornar a Maçonaria algo bom do ponto de vista religioso.

O perigo da Maçonaria se encontra em outro patamar. Apesar de constantemente negarem ser uma religião, na prática a maçonaria de fato possui todas as características de uma religião. Ora, se é religião, há de se supor que ela trate de vários assuntos metafísicos, próprios da religião, tais como: redenção, vida após a morte, Deus etc...

Meu caro Joaquim é justamente aí que se concentra todo o ponto nefrálgico da questão, haja vista o relativismo da Maçonaria colidir frontalmente com a Bíblia Sagrada.

Ora, amigo, Jesus não admite concorrência, Ele é único, exclusivo. Somente Jesus salva, só Ele é o caminho a verdade e a vida [João 14.6].

Um verdadeiro cristão que entregou sua vida a Jesus nunca poderia ser maçon e ser cristão ao mesmo tempo. Vou dizer o porquê disso. Paulo, o apóstolo, disse bem acertadamente, "que harmonia há entre Cristo e Belial? ou que parte tem o crente com o incrédulo?"

Eu não sei em qual grau está no momento e nem a qual rito pertence, mas para ser maçon já no ritual de iniciação é preciso confessar que é um "profano" e que está nas trevas, mas que ao entrar para a Maçonaria receberá a luz.

Assim declara o livro "Aprendiz Maçon" na página 45, o qual está em minhas mãos no momento,

"O estado de cegueira em que vós encontrais, é o símbolo das trevas que cercam o mortal que ainda não recebeu a luz que o guiará na estrada da Virtude."

Meu caro Joaquim, como um cristão pode dizer algo assim, ante o fato de ter agora aceitado Jesus que é a luz do mundo?

"Então Jesus tornou a falar-lhes, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue de modo algum andará em trevas, mas terá a luz da vida."

Essa declaração coloca em xeque-mate toda a pretensão da Maçonaria de ser ela a luz do mundo. Convenhamos, de duas, uma: Jesus se equivocou quanto ao que disse, estando portando errado, ou a Maçonaria está equivocada.

O senhor concorda que ambas as declarações são excludentes? Um cristão nunca poderia ficar neutro perante elas. Ou é Jesus ou é a Maçonaria. Ou sigo os preceitos de Cristo, ou da Maçonaria. Não há meio termo.

Jesus deixou bem claro ao dizer que nós somos a luz do mundo, "Vós sois a luz do mundo." Me explique senhor Joaquim, o cristão segundo as palavras de Jesus ainda estaria em trevas? Precisaria diante do “Venerável”, confessar que é cego e está em trevas?

Você diz que o principal requisito para entrar na Maçonaria é crer em Deus "...este sim o único dogma da maçonaria...". Mas pergunto: isso basta? Não. Crer vagamente em um deus não é o bastante. O Deus da Bíblia e Pai de Jesus Cristo deixou bem claro essa questão já no primeiro mandamento que reza: "Não terás outros deuses diante de mim". O que você acha dessa declaração? Por que será que Deus excluiu todos os demais deuses (inclusive o GADU da Maçonaria) das outras religiões das crenças dos homens? É porque Deus sabe, isto é, o Deus verdadeiro, que há somente um Deus, como Ele mesmo disse: "Assim diz o Senhor, Rei de Israel, seu Redentor, o Senhor dos exércitos: Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus." [Isaías 44.6].

Amigo maçon, o importante não é adorar qualquer deus, mas o verdadeiro Deus criador de tudo. A filosofia maçônica nessa questão é contraditória, pois o Muçulmano que diz adorar Alá, não crê na Trindade do seu colega cristão. Imagina o maçon judeu, sentando à mesa e compartilhando da mesma filosofia com seu irmão maçon hindu que adora literalmente milhares de outros deuses? Ou o satanista que adora Lúcifer sentando e se confraternizando com o evangélico?

Observe de novo a sentença bíblica: "Que harmonia há entre Cristo e Belial? ou que parte tem o crente com o incrédulo?".

Esse self-service agrada muito bem à filosofia humana, mas não corresponde à verdade. Um verdadeiro cristão que procura seguir fielmente Jesus Cristo e sua palavra nunca poderia ser maçon pelos fatos expostos acima.

Quanto à expressão "advogado do Diabo", o senhor não entendeu o que o autor do artigo quis dizer. Ele não chamou nenhum maçon de diabo, mas que a frase dita no filme "Eu entro nos lugares sem ser notado" reflete bem, o que está por vezes acontecendo em algumas igrejas.

Sobre à ligação da Maçonaria com a KU KLUX KLAN é quanto a relação com um dos fundadores que era maçon, aliás, um dos maiores sumo pontífices da maçonaria, o senhor Albert Pike, cujo livro "Moral e Dogmas" eu tenho em minha biblioteca. O senhor sabia que Pike declara que a origem da maçonaria é puramente pagã?

A respeito da IURD, creio que o senhor não leu o nosso site por inteiro, por isso enviou estas perguntas. Se tivesse a pachorra de continuar lendo saberia que nós não concordamos com as práticas dessa igreja, Aliás, temos dois artigos falando sobre o assunto. Mas justiça seja feita amigo, não é só dentro da IURD que se faz "roubo", se é que posso usar este termo, pois até mesmo dentro da Maçonaria há sim seus "ladrões" como mostra a matéria da revista Época "Crise na maçonaria - Denúncias de desvio de dinheiro e brigas na Justiça expõem a confusão da sociedade secreta no Brasil".
Portanto, senhor Joaquim, quem tem telhado de vidro não atira pedras no telhado dos outros...

Isto posto, só tenho a dizer que do ponto de vista bíblico, um cristão, nunca, jamais, poderia ser um maçon sem incorrer em graves contradições. O cristão está para a Maçonaria, assim como a água está para o óleo: não se misturam.
Não queira unir o que Deus separou para sempre...
NOTA: TIRADO DO SITE CACP

5 comentários:

  1. BLOG GRUPO RENASCER - COMOCIM29 de outubro de 2009 22:25

    Maçonaria : um pouco de história

    Do blog: http://gruporenascer-rcc.blogspot.com/2009/08/serie-falsas-doutrinas.html


    Revista : “PERGUNTE E RESPONDEREMOS”
    D. Estevão Bettencourt, osb
    Nº 425 – Ano: 1997 – pág. 467

    Em síntese: Nos países latinos da Europa e da América a Maçonaria assumiu o qualificativo de Irregular, porque abandonou suas tradições religiosas e se tornou anti-religiosa, especialmente contrária à Igreja Católica. O artigo que se segue, apresenta um pouco de história da perseguição movida pelos Governos maçons contra a Igreja no México, onde morreram vários mártires, inclusive o Pe. Agustin Pro s. J. Também no Brasil do tempo do Império a Maçonaria, instalada no Governo, perseguiu os Bispos de Olinda-Recife e Belém do Pará, tornando-se então benemérito D. Frei Vital, trazido de Olinda para o Rio, onde esteve encarcerado por resistir às injunções do Governo maçônico em assuntos e ordem interna da Igreja.

    Reproduzimos, a seguir, artigo sobre a Maçonaria publicado no jornal belohorizontino O LUTADOR, edição de 15 a 21 de junho de 1997, p. 8. São páginas que revelam aspectos pouco divulgados da Maçonaria, aptos a explicar o difícil diálogo entre tal sociedade secreta e a Igreja. Agradecemos à Redação daquele periódico o direito de reprodução.

    “RELAÇÕES NADA CORDIAIS"

    Tudo o que é secreto, desperta interesse. Tudo o que é proibido, seduz. O que parece beneficente, se faz simpático. Será por isso que tantos católicos ainda têm dúvidas sobre a “condenação” da maçonaria e recebem com desconfiança as advertências da Mãe-Igreja? Seja como for, o exame das relações entre cristãos e maçons na História do Brasil, bem como no México, traz à luz os sinais do ódio contra a Igreja de Jesus Cristo. Bispos presos, padres fuzilados, centenas de leigos assassinados a sangue frio ... Ao menos naquele tempo e naquelas circunstâncias.

    MATANDO O ESCORPIÃO

    Que é a Maçonaria ? Uma sociedade secreta. Qual o seu objetivo ? Tomar o poder. Como provar essa afirmação ? Pelo exemplo mexicano. A 5 de fevereiro de 1917, foi aprovada a Constituição do México, maçônica, ainda em vigor no México, após 80 anos. O presidente era Venustiano Corranza, também ele maçon, como todos os demais que se elegeram até hoje.

    A Constituição restringia a liberdade religiosa, considerava crime o ensino religioso e a profissão dos votos. Ao mesmo tempo, desapropriava sumariamente os bens eclesiásticos, negando personalidade jurídica à Igreja e encerrando-a no âmbito das sacristias. Os sacerdotes foram privados de seus direitos políticos (votar e ser votado, herdar, possuir bens etc.), mas deviam prestar serviço militar.

    Além disso, o Governo determinava o número de sacerdotes permitidos em cada localidade e decretava quem estava habilitado ao ministério. Só mexicanos de nascimento podiam ser sacerdotes. A partir de 1926, com a “Lei Calles”, Vera Cruz tinha um sacerdote “autorizado” para cada 100 mil habitantes.

    Em Sonora, foram fechadas todas as Igrejas. Os sacerdotes sumariamente eliminados. Segundo Fidel Gonzáles, em artigo na revista “30 DIAS” (ago/93), “a violência contra a Igreja era dirigida sobretudo pelas lojas maçônicas e por um de seus grupos, o de Sonora, que alcançou com Calles (presdiente de 1924 a 1928) o controle total do poder”.

    CONTINUA...


    Postado por Grupo Renascer -RCC Camocim

    ResponderExcluir
  2. BLOG GRUPO RENASCER - CAMOCIM29 de outubro de 2009 22:32

    CONTINUAÇÃO...


    lvaro Obregón, um dos responsáveis diretos pelo assassinato do Pe. Agustin Pro (herói do conhecido livro Despistou Mil Secretas), declarou em discurso público: “Quando uma formiga nos pica, não procuramos a formiga para matá-la; pegamos um balde de água fervente e a derramamos no formigueiro. Quando um escorpião nos pica, nós o matamos; pegamos uma lanterna para procurá-lo e, se encontrarmos outro escorpião, não o deixamos viver, porque não foi ele que nos picou; nós o matamos, porque pode nos envenenar”.

    UMA LEGIÃO DE MÁRTIRES

    Em 1992, o Papa João Paulo II beatificou Miguel Agustin Pro e os 22 sacerdotes mártires mexicanos. Seu crime ? Exercer secretamente o seu ministério, confessando os penitentes, ungindo os enfermos e celebrando a Eucaristia. São mártires in odium fidei (por ódio à fé). Mas também o foram in odium Ecclesiae, (por ódio à Igreja), pois o objetivo do Governo maçom que mantinha o poder no México era não só erradicar a Igreja Católica, mas eliminar da vida nacional o próprio acontecimento cristão.

    O episcopado tentou reagir desde o início. Uma Carta Pastoral dos Bispos mexicanos apontava sem medo o projeto governamental de “aniquilar o catolicismo”, entranhado na alma do povo. O Governo reagiu com decretos que visavam a “mexicanizar” a Igreja, tal como fizeram os países comunistas (China, Vietname etc), que favoreceram o surgimento de uma “igreja nacional”, “patriótica”, sem ligação hierárquica com Roma.

    A 31 de julho de 1926, os Bispos suspenderam todas as celebrações no país. Explodia a perseguição contra o clero e as lideranças leigas. Lares invadidos, interrogatórios, tortura e julgamento de fachada. Dezenas de milhares de católicos (50 mil homens, segundo alguns historiadores) sublevaram-se e empunharam armas. Começava a guerra dos “cristeros”, que terminaria com o acordo de paz em junho de 1929. Embora sofrendo com a falta de armas, os “cristeros” estavam em seu apogeu e dominavam um vasto território. Os Bispos aceitaram um acordo com o Governo (as circunstâncias não são claras até hoje) e pediram aos fiéis para interromper a luta e cessar fogo. Tão logo as armas foram entregues, começou a matança. A Igreja tinha sido traída.

    Dolores Ortega, 85 anos, remanescente de uma família de “cristeros” , declara: “Todos sabiam que era um truque, que o Governo nunca respeitaria o seu compromisso. Todos o sabiam, nós da Liga (para a Defesa da Liberdade Religiosa) e também os “Cristeros”. Quando nos pediram para interromper a luta, sentimos uma dor surda, uma angústia mais forte do que a provação que a guerra exigia”. Mesmo assim, obedeciam por fidelidade ...

    CONTINUA...

    ResponderExcluir
  3. BLOG GRUPO RENASCER CAMOCIM29 de outubro de 2009 22:35

    CONTINUAÇÃO...

    “PRENDAM O BISPO !”

    1872. Agonizava a monarquia no Brasil. As forças republicanas engrossavam suas fileiras. No Rio de Janeiro, o Visconde do Rio Branco – Grão-Mestre do Grande Oriente do Vale do Lavradio! – preside ao Gabinete. Em clima de rivalidade, Saldanha Marinho era o Grão-Mestre do Grande Oriente do Vale dos Beneditinos, ligado à maçonaria francesa.

    Aos 27 anos de Idade, Dom Vital é nomeado Bispo de Olinda e toma posse a 24 de maio de 1872. Ele escreve: “Até 1872, a Maçonaria no Brasil respeitou a religião católica. Introduziu-se no clero, nos conventos, nos cabidos, nas confrarias. Mas quando teve um Grão-Mestre à frente do Governo nacional, julgou oportuno atacar a Igreja” (citado por Antônio Carlos Villaça, in História da Questão Religiosa no Brasil, pág. 7).

    De fato, antes de chegar a Olinda, o novo Bispo já sofria os ataques da imprensa maçônica. Entre outras provocações, o anúncio de Missas para comemorar o aniversário de uma loja maçônica. Dom vital impôs sua autoridade sobre o clero, proibindo celebrações e atos interditados pelo Direito Canônico. Alguns padres filiados à maçonaria obedeceram ao superior. Outros se calaram. Mas houve rebeldes, que foram suspensos das ordens sacras.

    Quando a suspensão atingiu o Deão Joaquim Francisco de Faria (diretor do Ginásio Pernambucano, ex-vigário capitular e chefe do Partido Maçônico Liberal!), este organizou uma reunião popular e insuflou a multidão a atacar o Colégio S. Francisco Xavier, dos jesuítas. Móveis quebrados, capela destruída, oito jesuítas agredidos. A seguir, o jornal católico “União” é invadido e queimado. Numa demonstração de força, a Maçonaria publicou a lista dos maçons que eram sacerdotes ou membros de confrarias religiosas.

    Quando D. Vital lançou o interdito canônico sobre as confrarias envolvidas e se negou a obedecer à intimação do Visconde do Rio Branco para o levantar, foi acusado perante o Supremo Tribunal, preso e recolhido ao Arsenal da Marinha do Recife. Era o dia 2 de janeiro de 1874. O Governo afastara previamente do tribunal todos os juizes considerados católicos. Sem perder a firmeza e a dignidade, Dom Vital foi condenado a quatro anos de prisão com trabalhos forçados. A 12 de março, sua pena foi comutada em prisão simples, na Fortaleza de S. João, no Rio de Janeiro.

    CONTINUA...

    ResponderExcluir
  4. BLOG DO GRUPO RENASCER CAMOCIM29 de outubro de 2009 22:36

    CONTINUAÇÃO...

    PRINCÍPIOS INCOMPATÍVEIS

    O tempo passa. Fica a memória. O último documento da Igreja sobre o assunto foi produzido pela Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, em 26/11/1983, e assinado pelo Cardeal Joseph Ratizinger, que os maçons consideram como seu inimigo figadal. A Declaração afirma: “Permanece imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçônicas, pois os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja, e por isso permanece proibida a inscrição nelas. Os fiéis que pertencem às associações maçônicas, pois os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja, e por isso permanece proibida a inscrição nelas. Os fiéis que pertencem às associações maçônicas estão em estado de pecado grave, e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão”.

    Em 1993, a revista de teologia Atualização (nºs 241 e 242) publicou excelente artigo de D. João Evangelista Martins Terra, S. J., sobre a ação da Maçonaria no Brasil, que tem ricos subsídios para os interessados no tema. Ali, são lembrados os motivos da incompatibilidade entre catolicismo e maçonaria:

    - O relativismo e o subjetivismo maçônico negam todo dogma.
    - Exclui-se o conhecimento objetivo da verdade.
    - A verdade divina é inatingível, segundo os maçons.
    - A maçonaria é “deísta”, seu “deus” é neutro, impessoal, nada parecido com o Pai e Senhor dos cristãos.
    - Não se admite nenhuma “revelação” de Deus.
    - O conceito maçônico de “tolerância” rejeita o magistério da Igreja.
    - Não há lugar para a ação da graça divina no crescimento moral do homem.
    - O maçom assume compromissos secretos, para a vida e para a morte, incompatíveis com a liberdade cristã.

    Isto não significa que todos os maçons brasileiros tenham esses sentimentos anticlericais, anti-Igreja, anticristianismo. Muitos são elementos de boa vontade, atraídos para a maçonaria pela camaradagem, o que parece solidariedade, filantropia. Muitos fazem número, dão prestígio à Loja. Mas não sabem todos os segredos. Não entendem a filosofia maçônica. É a esses que a Igreja quer esclarecer”.

    Postado por Grupo Renascer -RCC Camocim

    ResponderExcluir
  5. Quem me ajuda a fazer um blog semelhante a esse?Adoro esse tema,pois me criei e trabalhei em meio a maçons e tenho muitas histórias prá contar sobre a maçonaria no serviço público onde já dominam mais de 50%,inclusive meu sogro é venerável-mestre.amigo.57@hotmail.com Um forte abraço a todos

    ResponderExcluir